A Voz do Usuário na Estratégia de Saúde da Família em Salvador/Bahia-Brasil: Ouvidorias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v6i13.855

Palavras-chave:

SUS Ombudsman, Social Participation, Social Management, Public Health Policy, Family Health Strategy

Resumo

A Ouvidoria integra os processos de aperfeiçoamento das instituições públicas que devem ter canais para ouvir e responder às demandas dos cidadãos. Neste caminhar, esta pesquisa escolheu as Unidades de Saúde da Família do município de Salvador- Estado da Bahia, entendendo esta como ordenadora da rede de atenção à saúde e coordenadora do cuidado, como o palco de avaliação da participação dos usuários na ouvidoria deste município, utilizando-a como instrumento de gestão social. Trata-se de um estudo de caso exploratório com uma abordagem qualiquantitativa. A coleta de dados resultou da entrevista semiestruturada com 120 usuários que utilizam os serviços da Estratégia de Saúde da Família (ESF) há cerca de 2 anos e que, aleatoriamente, utilizaram ou não a Ouvidoria do município no período de janeiro de 2018 a dezembro de 2019. Foi inicialmente realizada uma pesquisa exploratória e documental dos relatórios gerenciais das Ouvidorias neste período entendendo as manifestações registradas no sistema informatizado. Além disso, foram realizados 12 grupos focais (71 participantes) que permitiram uma visão mais apurada sobre gestão social construída junto aos participantes num processo discursório de colocações variadas e pertinentes. Para análise dos dados optou-se pela triangulação de dados baseado em categorias viabilizadas para o processo interpretativo. Diante disso, esta pesquisa evidenciou que apesar da Ouvidoria do município de Salvador ser resolutiva nas solicitações registradas, ela representa um espaço de participação social que não considera a sua dimensão política, em que o cidadão não tem a clareza de que a sua participação deve interferir no processo decisório das políticas públicas de saúde. Assim, os registros realizados na Ouvidoria de Salvador referentes aos serviços do ESF são majoritariamente reclamações e solicitações. Poucos foram os registros referentes a sugestões e elogios. Nas entrevistas e grupos focais ficou claro que os usuários entendem que a Ouvidoria consiste num instrumento de queixas e não de participação social. Ainda foi possível compreender que os usuários não se reconhecem como participantes da gestão do SUS, acreditam ser cidadãos de direitos e não de deveres.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Oliveira Borges Ramos, Universidad de Ciencias Empresariales y Sociales

[Lattes] - Doutora em Saúde Pública pela UCES, Mestre em Família na Sociedade Contemporânea/ Saúde da Família, pela Universidade Católica do Salvador, Pós-graduada em Saúde Pública com ênfase em Programa de Saúde da Família e em Enfermagem do Trabalho e graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2003)..

Jorge Andrade de Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

[Lattes] - Possui graduação em Odontologia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2013). Mestrado em saúde coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2018). Atualização em endodontia e Harmonização orofacial. Atualmente é cirurgião-dentista da Prefeitura Municipal de Salvador, preceptor da disciplina saúde coletiva IV da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Publica, Professor da pós-graduação de Estética avançada do CTA, tutor EAD da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e pesquisador da Fiocruz

Nidia Geyse Cavalcante da Silva, Fundação Oswaldo Cruz

[Lattes] - Graduada em Enfermagem, Pós graduada em Vigilância Sanitária pela UNINTER.

Referências

ABREU, J. C. A.; OLIVEIRA de, C. B.; OLIVEIRA de, J. G.J. Marco Institucional das Ouvidorias Municipais na Região do Médio Paraíba/Rj: Um Estudo Exploratório. Revista Foco, Vol. 7 No. 1 (2014).

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BECKER, H. S. Métodos de pesquisa em Ciências Sociais. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1997.

BRASIL. Decreto nº 92.700 de 21 de maio de 1986. Institui a funcão não remunerada de ouvidor da previdência social e da outras providências. Revogado. Mnistério do Trabalho e PrevidênciaSocial; 21 maio.1986. disponível em: <https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=DEC&numero=92700&ano=1986&ato=397MTSU9UMBpWT7a2>. Acesso em: 10 maio 2023.

______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal; 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 04 nov. 2023.

______. Lei 8078, de 11 setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, 11 set. 1990.

______. Lei nº 8080, de 19 setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, 19 set. 1990.

______. Lei nº 8142 de 28 dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, 28 dez. 1990.

DUARTE, A., LIMA, A., DUARTE, Adilson R., MARCELINO, C. J. Como a mediação com a escuta qualificada contribui para autoestima dos usuários da ouvidoria. In: Revista Científica da Rede de Ouvidoria do Estado de Pernambuco; out. 2013; Recife: Ouvidoria do Estado, ano I(1):81-96.

FÉLIX, P. T., JACINTO, J. C. A figura do ouvidor como mediador para garantia da qualidade dos serviços públicos. In: Revista Científica da Rede de Ouvidoria do Estado de Pernambuco, out. 2013; Recife: Ouvidoria do Estado, ano I(1):181-188.

FERNANDEZ, M. V.; CAVALCANTI, P.; SÁ, D.; VIEGAS, J. Ouvidoria como instrumento de participação, controle e avaliação de políticas públicas de saúde no Brasil. Revista de Saúde Pública, 2021. Link: https://doi.org/10.1590/S0103-73312021310403.

PEIXOTO, S. F. et al Atribuições de uma ouvidoria: opinião de usuários e funcionários. Saúde soc., São Paulo, v. 22, n. 3, p. 785-794, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v22n3/12.pdf>. Acesso em: 24 nov. 2023.

» http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v22n3/12.pdf

Martins, V. A. Ouvidoria do SUS: Dispositivo de participação social? Tese. (Mestrado em Saúde Coletiva)117f. Niterói/RJ. 2016. Disponível em: <https://app.uff.br/riuff/bitstream/handle/1/5209/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Ver%C3%B4nica%20Martins.pdf?sequence=1>. Acesso em: 10 abr. 2023.

MEDEIROS, J. B. Redação Científica: prática de fichamentos, resumos, resenhas. 13.ed. São Paulo: Atlas, 2019.

SOUZA, R. C. R., FREIRE, M. A., SOARES, E. Ouvidoria no âmbito da administração pública: contribuição para a enfermagem. R. Pesq. Cuid. Fundam. Online. Jul./set. 2012. 4(3):2385-93.

TENÓRIO, F. Gestão social: uma perspectiva conceitual, RAP; set. out. 1998; Rio de Janeiro; 32(5).

VISMONA, E. L. A evolução das ouvidorias no Brasil. In: Perez, J., Barreiro, A. Passone, Eric (Org.). Construindo a ouvidoria no Brasil: avanços e perspectivas. Campinas: Unicamp/Ouvidoria, 2011;29-42.

VEGA, L. Ouvidoria é democracia. Organicom, v. 7, n. 12. 2010.

Downloads

Publicado

2023-12-13

Como Citar

RAMOS, V. O. B.; SOUZA, J. A. de; SILVA, N. G. C. da. A Voz do Usuário na Estratégia de Saúde da Família em Salvador/Bahia-Brasil: Ouvidorias. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 2570–2577, 2023. DOI: 10.55892/jrg.v6i13.855. Disponível em: https://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/855. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK